Caixa e SEBRAE oferecem 7,5 BI em linhas de crédito para micro e pequenas empresas.

scroll

Empresários contarão com prazo de carência de até 12 meses para começar a pagar.

A Caixa e o Serviço Brasileiro de Apoio ås Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) anunciaram nesta segunda-feira parceria para facilitar o acesso de microempreendedores individuais (MEI), micro e pequenas empresas ao crédito durante a pandemia de coronavirus. A expectativa é injetar R$ 7,5 bilhöes em linhas de crédito facilitado ao setor, segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimaräes.

A parceria utiliza linhas disponibilizadas pela Caixa e garantias complementares serão concedidas pelo Sebrae por meio do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe).

Em nota enviada á imprensa, o vice-presidente de Varejo do banco, Celso Leonardo Barbosa, diz que os empresários contarão com uma plataforma de crédito assistido, com prazo de carência de até 12 meses para começar a pagar “e prazos flexíveis para pagamento”.

As garantias do Sebrae são fruto de uma negociação com o Ministério da Economia, que, em medida provisória (MP) publicada no inicio deste mês, deixou a entidade de fora do corte temporário de 50% nas contribuições do Sistema S, uma das medidas colocadas em prática para fazer frente aos efeitos econômicos da pandemia. Poupado do corte, o Sebrae usou os recursos para reforçar o Fampe.

Redução de 40% nas taxas de juros.

Guimarães disse que a linha de crédito em parceria com o Sebrae permitirá a redução de cerca de 40% nas taxas de juros em relação às praticadas hoje e aumentará a oferta de crédito. “Os R$ 7,5 bilhões representam 1% do total da carteira da Caixa, mas são importantes dentro de um segmento que tem baixa oferta de crédito”, disse.

Para o microempreendedor individual, o valor máximo a ser contratado por CNJP será de R$ 12,5 mil. O prazo de carência será de nove meses, o prazo para pagamento de 24 meses e as taxas de juros, de 1,59% ao mês.

Para as microempresas, o valor máximo de crédito será de R$ 75 mil, a carência será de 12 meses, o prazo para pagamento de 30 meses e a taxa de juros, de 1,39% ao mês.

No caso das empresas de pequeno porte, o valor máximo chegará a R$ 125 mil, a carência será de 12 meses, o prazo para pagamento de 36 meses e a taxa de juros de 1,19% ao mês.

Por ora, afirmou Guimarães, a linha estará disponível apenas para clientes adimplentes. “Quem estiver negativado, nesse primeiro momento, não estará nessa linha, mas há outras linhas de renegociação na Caixa”, disse.

 

 

Sem subsídio 

Questionado se a liberação de R$ 7,5 bilhões para micro e pequenas empresas ficou abaixo do esperado, o presidente da Caixa disse que as operações só serão realizadas se for para o banco “ganhar dinheiro”. Havia expectativa de que a injeção chegasse a R$ 12 bilhões.

 

“AS OPERAÇÕES SÓ SERÃO REALIZADAS SE FOR PARA A CAIXA GANHAR DINHEIRO. NAO FAZEMOS OPERAÇÃO DE SUBSÍDIO COM NINGUÉM. NESTE GOVERNO, NESTA GESTÃO, NÃO HÁ A MAIS LEVE POSSIBILIDADE DE A CAIXA REALIZAR QUALQUER OPERAÇÃO QUE NÃO SEJA SUSTENTÁVEL NO LONGO PRAZO”, DISSE.

 

Ele completou dizendo que a liberação pode ser maior, mas que hoje a expectativa da Caixa, a partir de análises internas, é de R$ 7,5 bilhões. “E um dia depois do outro. Se houver um volume de demanda onde as pessoas tenham uma resposta melhor do que nós estamos esperando, pode chegar a R$ 12 bilhões.”

Em entrevista ao Valor no fim de março, o presidente do Sebrae, Carlos Melles, já havia citado a cifra de R$ 12 bilhões. Questionado agora sobre a liberação, Melles disse que nem um volume maior de recursos seria suficiente para suprir a necessidade de crédito dos negócios menores. “Não é suficiente, nem os primeiros modelos nossos, de R$ 24 bilhões, são suficientes em relação a demanda e representação da micro e pequena empresa no Brasil”, Melles citou que há outras iniciativas em debate, como projeto de lei, em discussão na Câmara, que quer destinar recursos do Tesouro para linhas de crédito e tratativas com outros bancos, inclusive o BNDES.

O presidente do Sebrae disse ainda que, num primeiro momento, o Fampe está colocando mais de R$ 500 milhões nas operações. “Nosso desafio é aumentar o volume de recursos para dar conforto nessa alavancagem”, disse. A expectativa é de que a destinação de R$ 1 bilhão do fundo permita a liberação dos R$ 12 bilhões em empréstimos.

 

Sem  milagre também

No anúncio da linha de crédito para micro e pequenas empresas em parceria com a Caixa, Melles disse que não se deve esperar “milagre dessa operação”, citando a redução de juros de cerca de 40%.

 

“NÓS TAMBÉM PODEMOS MELHORAR MUITO O AMBIENTE SE TIVERMOS MAIS GARANTIAS NESSE PROCESSO. AI AS TAXAS PODERÃO AI CHEGAR A ATE 0,8% AO MÊS, O QUE E MUITO MAIS FAVORÁVEL”, AFIRMOU.

 

Na entrevista ao Valor no fim do mês passado, Melles havia citado taxas de cerca de 0,6% ao mês como um patamar “confortável”. A linha anunciada hoje, no entanto, tem juros que variam de 1,19% ao mês a 1,59% ao mês.

Escrito por:Resulte Contabilidade

A Resulte Contabilidade é uma empresa que tem como compromisso ofertar um serviço contábil de qualidade para o empreendedor, contamos com uma equipe qualificada no intuito de reduzir os gastos e aumentar a lucratividade das empresas.